23
Out
07

Celulares cada vez mais limpos

Os telefones móveis, na América Latina e no mundo em desenvolvimento, tenderão a deixar para trás os materiais perigosos, graças – afirmam analistas – a severas normas européias.

chris-jordan-cellphones-sml.jpg

TORONTO, 6 de janeiro (Tierramérica).- Ainda são vendidos, na América Latina e em outros países, telefones celulares contendo materiais perigosos. Porém, graças a uma severa norma européia, cada vez mais aparelhos deixarão para trás, para sempre, o cádmio, o chumbo e outros tóxicos. Rígidas regulamentações, aprovadas em 2006 pela União Européia, forçaram os cinco principais fabricantes de celulares do mundo a eliminar materiais e outros componentes tóxicos de seus produtos.

“Em um ou dois anos, a maioria dos mais de um bilhão de novos celulares vendidos anualmente cumprirão os altos padrões europeus, mesmo se na maioria dos países não houver nenhuma restrição”, disse Zeina Alhajj, especialista em Tóxicos do Greenpeace Internacional. “O celular é um produto global com os parafusos fabricados na China, chips de silicone feitos na Malásia e cabos produzidos nas Filipinas”, explicou Alhajj ao Terramérica, de Amsterdã. “Seria muito complicado as grandes empresas produzirem telefones que atendessem a diferentes padrões, porque são fabricados seguindo as regulamentações européias, que são as mais severas do mundo”, acrescentou.

Cinco empresas – Nokia, Motorola, Samsung, LG e Sony Ericsson – fabricaram mais de 80% do bilhão de telefones vendidos em 2006, segundo o Worldwide Mobile Phone Tracker, da consultoria IDC. Nokia e Motorola são as líderes na América Latina. Um celular pode conter entre 500 e mil componentes, muitos incluindo metais pesados tóxicos, como chumbo, mercúrio e berílio, além de produtos químicos perigosos, como os retardadores de chama polibromados. O contaminante plástico PVC também é usado com freqüência para fabricar a carcaça e o teclado, e as baterias contêm cádmio, níquel e lítio.

No último verão boreal, entrou em vigor a norma européia denominada “Restrição de certas substâncias em equipamentos elétricos e eletrônicos (RoHS)”, que proíbe o mercúrio e o chumbo, entre outros. “Como resultado desta norma, vários celulares, que já não podem mais serem vendidos na União Européia, serão colocados nos mercados da China, Estados Unidos e América Latina”, disse Alhajj. Usar telefones que não cumprem a norma não gera preocupação sanitária, mas se acabam em lixões, as substâncias tóxicas podem se infiltrar no solo e na água subterrânea. Embora os celulares sejam pequenos, calcula-se que foram produzidos cinco bilhões e que a maioria já não está em uso.

“Boa parte do lixo eletrônico da América Latina acaba em depósitos a céu aberto”, disse ao Terramérica Keith Ripley, especialista em Regulamentações Ambientais da Temas Atuais, uma consultoria de assuntos públicos para a América Latina e o Caribe. “As baterias são uma dor de cabeça e as imitações ou do mercado negro são um problema ainda maior. Se parecem com as originais e são vendidas pela metade do preço, mas contêm quantidade muito grande de mercúrio”, disse Ripley. Este metal pode causar danos cerebrais e defeitos de nascimento. A maioria das empresas na América Latina tem programas de reciclagem de baterias, mas são pouco divulgados e poucos sabem sobre eles, afirmou.

Celulares cada vez mais limpos


0 Responses to “Celulares cada vez mais limpos”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: