Archive for the 'energia' Category

28
Jun
09

DESTAQUES: Propostas pautas verdes para biocombustíveis>

Sugar cane field oz RSLpixStephen Leahy

BONN, 2 de junho, (IPS) – (Tierramérica)

O mundo começa a discutir regras ambientais para a produção de combustíveis agrícolas.

A adoção de pautas internacionais para a produção sustentável de biocombustíveis surgiu como uma opção polêmica na Conferência das Nações Unidas sobre Biodiversidade, realizada em Bonn em maio. As propostas, ainda vagas, indicam que se “pode promover a produção, conversão, o uso e comércio sustentáveis de biocombustíveis” e giram em torno de reduzir “incentivos perversos”, como os subsídios europeus e norte-americanos.

Os também chamados agrocombustíveis, refinados de cultivos como milho, cana-de-açúcar e soja, suportam uma onda de criticas dos que os consideram culpados pela atual carestia alimentar. Também são acusados de agravar a destruição de ecossistemas, ao empurrar outras produções agropecuárias ao corte e colonização de matas virgens. Precisamente, frear a crescente onda de extinções de flora e fauna foi um dos propósitos da reunião de Bonn.

“O Convênio das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica pode contribuir garantindo que os biocombustíveis sejam ecologicamente sustentáveis”, disse ao Terramérica Jochen Flasbarth, do Ministério de Meio Ambiente da Alemanha, um dos delegados presentes na IX Conferência das Partes desse tratado, realizada entre 19 e 20 de maio.

Alguns países nem mesmo quiseram discutir o assunto durante o encontro, mas o presidente do Convênio, o ministro alemão do Meio Ambiente, Sigmar Gabriel, insistiu nisso. Em lugar de esperar pelo desenvolvimento de critérios de sustentabilidade, algumas organizações ambientalistas insistem em acabar com os subsídios, as exonerações de impostos e as cotas de consumo de biocombustíveis.

via DESTAQUES: Propostas pautas verdes para biocombustíveis>

Anúncios
28
Jun
09

Os dólares não são verdes>

lone elephant zambiaStephen Leahy

Bonn, 02/06/2008, (IPS)

Políticas econômicas que descuidam da biodiversidade causam aos serviços proporcionados pela natureza à população mundial perdas que chegam a US$ 78 bilhões, segundo um informe da União Européia e do governo alemão.

Uma versão preliminar do estudo intitulado “A economia dos ecossistemas e a biodiversidade” foi apresentada em Bonn, na Alemanha, onde na sexta-feira (30) terminou a IX Conferência das Partes do Convênio das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica (COP9). A reunião, que começou no último dia 19, contou com a participação de mais de seis mil representantes de 70 países.

Em 2006, outro informe oficial, o Stern Review, realizado pelo Tesouro da Grã-Bretanha, alertou empresas e governos que combater a mudança climática custaria muito menos do que ignorá-la. O informe divulgado na quinta-feira situa o dano ecológico causado anualmente às áreas terrestres do planeta em US$ 78 bilhões.

“Com o atual ritmo de perda de biodiversidade, o mundo em desenvolvimento nunca ficará em dia com o mundo industrializado”, disse à IPS Pavan Sukhdev, principal autor do informe e diretor de mercados globais da filial indiana do Deutsche Bank.

“A pobreza não pode ser eliminada com a contínua queda dos serviços dos ecossistemas”, acrescentou. Continue a ler ‘Os dólares não são verdes>’

30
Mar
09

A hora da energia renovável

 

windmill-winter1Stephen Leahy

Kingston, Canadá, 26/06/2008, (IPS) – A mudança climática arrasa os Estados Unidos para “uma crise muito mais séria” do que as Segunda Guerra Mundial, alertou o ambientalista David Suzuki na Conferência Mundial sobre Energia Eólica.

Há 20 anos, um dos mais destacados cientistas norte-americanos, James E. Hansen, advertiu o Congresso de seu país sobre a ameaça da mudança climática e considerou em um informe perigoso deixar o tempo passar sem tomar medidas para minimizar o fenômeno.

Hansen, que trabalha na Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (Nasa), acaba de publicar novas pesquisas segundo as quais a concentração de gases causadores do efeito estufa chegou a um ponto em que pode desatar mudanças na atmosfera e nos oceanos que exigiriam milênios para serem revertidos. Para evitar isso, Hansen cobrou drásticas reduções nas emissões de dióxido de carbono, começando quase que imediatamente, e o abandono até 2030 das usinas de energia elétrica alimentadas com carvão. Os especialistas consideram que se trata de um grande desafio, mas que é possível conseguir isso.

Suzuki lembrou aos delegados que participaram da conferência que os Estados Unidos conseguiram responder ao enorme desafio que representou a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), assim como há 50 anos, quando hoje a extinta União Soviética colocou o primeiro satélite no espaço e depois o primeiro cosmonauta. “Os Estados Unidos estavam muito atrasados, mas a nação não se rendeu”, afirmou Suzuki. Esse país, que se beneficiou enormemente de seus investimentos em pesquisa espacial através de novas tecnologias como satélites, telefone celular, pilhas de combustível, etc., também criou o clima que deu a ele a supremacia no campo da pesquisa científica.

via MUDANÇA CLIMÁTICA: A hora da energia renovável>

27
Ago
08

MUDANÇA CLIMÁTICA: Um jogo de avarentos

Stephen Leahy 

Toronto, 07/04/2008, (IPS) – Cada vez há mais provas de que a mudança climática pode instalar um caos no futuro como nenhum outro fenômeno conhecido, segundo uma original pesquisa publicada em uma prestigiosa revista científica norte-americana. 

Tomar medidas coletivas a tempo de evitar o pior significa recompensar ações sustentáveis, punir os que contaminam e parabenizar publicamente aqueles que procuram proteger o meio ambiente, diz o estudo.

Todas as nações fixarão um objetivo e um cronograma para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa liberadas pela queima de combustíveis fósseis quando se reunirem em Copenhague no final de 2009 por ocasião da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática. A maioria dos cientistas atribui o aquecimento do planeta a esses gases, como o dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. Numerosos cientistas insistem que o objetivo a ser fixado para 2020 deve ser uma redução entre 25% e 40%, em relação às emissões registradas em 1990. Continue a ler ‘MUDANÇA CLIMÁTICA: Um jogo de avarentos’

18
Ago
08

Derretimento de geleiras é irreversível

Stephen Leahy 

Toronto, 19/03/2008, (IPS) – As geleiras, torres de água doce do mundo, continuam derretendo aceleradamente e não há perspectivas de que esta situação se reverta. 

A taxa média de derretimento mais do que duplicou entre 2004 e 2006, informou o Serviço Mundial para a Vigilância das Geleiras (WGMS, sigla em inglês), com sede na Universidade de Zurique, na Suíça. “As últimas cifras são parte do que parece ser uma acelerada tendência sem um fim à vista”, disse o diretor da WGMS, Wilfried Heberli.

O rápido derretimento das geleiras é um claro indício de que a mudança climática se consolidou e milhões de pessoas, se não milhares de milhões, serão afetadas, alertou o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner. As geleiras alimentam os rios dos quais depende a sobrevivência de muitas pessoas: por exemplo, 360 milhões dependem do rio Ganges, na Índia, e 388 milhões do Yangtze, na China. Um fluxo menor de água dificultará o crescimento dos cultivos nessas zonas e em outras partes do mundo. Continue a ler ‘Derretimento de geleiras é irreversível’

18
Ago
08

Edifícios verdes ajudam no combate à mudança climática

Stephen Leahy 

Toronto, 17/03/2008, (IPS) – Construir edifícios “verdes” é a maneira mais simples e efetiva de reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa e permite reduzir até 70% o custo do consumo de energia, segundo um órgão especializado do Canadá, Estados Unidos e México. 

Os edifícios da América do Norte são responsáveis pelo lançamento na atmosfera de 2,2 bilhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, um dos principais gases que causam o efeito estufa, aos quais a maioria dos cientistas atribui o aquecimento global. Essa quantidade equivale a 35% do total anual das emissões norte-americanas.

A Comissão para a Cooperação Ambiental (CCA), órgão integrado pelos três países, destacou que a rápida adoção das tecnologias já disponíveis ou em desenvolvimento para economizar energia reduziria as emissões de dióxido de carbono em até 1,7 bilhão de toneladas até 2030. Uma redução dessa magnitude praticamente equivaleria ao total de emissões de carbono do setor de transporte dos Estados Unidos em 2000. Esse país é o principal emissor de gases causadores do efeito estufa no mundo, com cerca de um quarto do total.

“Melhorar nossos edifícios provavelmente seja a maior oportunidade de proteger nosso ambiente natural”, disse , diretor-executivo da CCA. Continue a ler ‘Edifícios verdes ajudam no combate à mudança climática’

23
Jun
08

Petrolíferas contra os ursos polares

Stephen Leahy

Toronto, 13/03/2008(IPS) – Organizações ambientalistas entraram na justiça contra o governo dos EUA por suas omissões na proteção dos ursos polares, que podem se converter na primeira espécie animal considerada oficialmente ameaçada pela mudança climática.

A enorme perda de gelo no Ártico no verão de 2007, atribuída ao aquecimento global, leva muitos cientistas a preverem que esse mar será totalmente líquido em 2012. Os ursos polares são excelentes nadadores, mas não são muito bons caçando foca – sua principal fonte de alimento – dentro da água.

O escritório de Pesca e Vida Silvestre dos Estados Unidos tinha prazo até 9 de janeiro para cumprir a Lei sobre Espécies em Perigo de Extinção e decidir formalmente se os ursos polares estão nessa categoria. Mas seus funcionários mantiveram silêncio. Enquanto isso, as autoridades norte-americanas licitavam, no dia 6 de fevereiro, projetos de extração de petróleo e gás no valor de US$ 2,6 bilhões em uma área com mais de 121 mil quilômetros quadrados, um dos principais habitat de ursos polares do mar de Chuckhi, no Alasca, no extremo noroeste da América do Norte. Continue a ler ‘Petrolíferas contra os ursos polares’